Raabe e Você/Capítulo 14

O Estereótipo Perfeição

Se você estiver acompanhando semana após semana, já percebeu que estamos numa jornada rumo a sua transformação. Falamos de várias coisas, mas duas muito importantes: perdoar a si própria e perdoar aos outros.

Se você chegou até aqui, significa que quer ir adiante. Mas uma das coisas que tem de fazer é se despojar da ideia ou preconceito em admitir que precise de ajuda para superar o abuso de uma vez por todas, pois com certeza o mesmo trouxe consequências para sua vida.

Temos determinadas reações que, sem perceber, é decorrência do que passamos; alguns sonhos, alguns ideais ficaram para trás.

Mostramos novas características e muitas vezes erguemos um escudo de proteção contra tudo e todos. Os nossos próximos artigos vão girar em torno disso: é hora de aprendermos a nos conhecer e reconhecer as nossas reações, que nem sempre nos orgulham, mas com as quais não sabemos lidar.

Antes de partirmos para isso, gostaria de combinar algo com vocês; principalmente com as minhas leitoras que são de uma igreja e através do amparo de amigos, da Palavra, das orações, têm superado muitas barreiras.

Esses artigos visam trazer cura aos que teoricamente já estão curados. Parece não fazer sentido, mas a verdade é que por estarmos num meio cristão, num ambiente saudável, muitas vezes nos convencemos de que já lidamos com todas as facetas do abuso e quanto mais deixarmos o assunto de lado, melhor viveremos.

Minha amiga (posso chamá-la assim?), isso não é lidar com a situação, mas é tapar o sol com a peneira. Nunca se sinta envergonhada ou intimidada se você observar que ainda tem reações resultantes do abuso.

Não permita que o fato de frequentar a igreja venha se tornar uma desculpa a ponto de não ter coragem de lidar com essas reações por causa do medo de ser mal interpretada ou julgada pelos demais.

Jesus disse que Seu fardo é leve, mas nós, seres humanos, temos a tendência de acrescentar muitos quilos a ele, pois criamos uma série de hipóteses, inseguranças, medos ou passamos a viver uma imagem idealizada que nos afasta cada vez mais da plenitude a que temos direito.

Pronta para o próximo passo? Se você encontrar similaridades com o seu comportamento, não tenha medo de enfrentá-las, não tente camuflá-las, encare e viva a fé inteligente que lhe faz chegar à solução e não ignorar o problema. Podemos ir para uma nova etapa?

DIA 24  de Novembro participe da II caminhada ” ROMPENDO O SILÊNCIO” 

Concentração: Praça Floriando Peixoto (Largo 13-Zona Sul) às 12hs

Chegada: Av. João Dias, 1800 às 15hs

EM TODOS OS ESTADOS DO BRASIL

Anúncios

Serviço de Apoio às Vítimas em Rio Grande do Norte

De ponta a ponta os estados abraçaram a causa Raabe e Rio grande do Norte está de portas abertas para receber as vítimas.

Contou com a presença da Diretora da Delegacia de Enfrentamento e Defesa da Mulher (Codimin), a presença da Presidente da Secretaria Municipal de Assistência Social (Semul). As mesmas se sentiram honradas por estarem presentes e se prontificaram a participar desse grandioso projeto.

Foi apresentado um vídeo que mostra a realidade de muitas mulheres do estado e foram prestados esclarecimentos de forma geral a todas as convidadas que participaram as que estão sofrendo e muitas que ainda sofrem vários tipos de agressões. Muitas voluntárias juntaram-se a nós e o Estado do Rio Grande do Norte já está em ação.

As representantes comentaram da importância e força desse trabalho e a disposição que nos leva a abraçar essa causa. Foi oferecido às voluntarias um curso de capacitação temática sobre a violência doméstica.

No final um lindo coffblack para confraternizar.

Raabe e Você /Capítulo 12

Sua vingança é a glória

Toda vez que falo de perdão para alguém que sofreu abuso, não o faço porque quero ser a crente boazinha pregando a Palavra de Deus. Uma das coisas mais difíceis, para mim, foi entender o porquê de Deus ter permitido aquilo acontecer comigo e ainda eu ter que perdoar.

Então, eu me coloco no seu lugar, nessa hora, e não espero sua compreensão, mas até mesmo uma indignação contra mim; não tem problema, tenho que dar o remédio amargo que lhe ajudará.

Qual é a vantagem que você tem em perdoar? Citei, no meu último post, a amargura da alma ao lembrar, a cada instante, do  ocorrido; o desejo de vingança, a depressão e a autocomiseração.

Quando decide conscientemente perdoar, você se liberta de toda essa carga negativa que  escraviza. E veja que eu disse conscientemente; não pense que, de repente, você vai dizer “eu perdoo” e toda essa opressão desaparecerá como mágica. Não é assim! Você decide perdoar, ainda que lhe pareça loucura, e entra numa batalha mental para não mais alimentar o ódio, a dor. É uma decisão que requer uma ação.

Palavras, apenas, não vão produzir o resultado. Porém, quando você se nega a pensar no abuso, a se irritar, chorar, gritar, ranger os dentes ao se lembrar daquela pessoa, aí, sim, você está tomando a atitude que vai salvar a sua vida.

Quando comecei a pesquisar sobre o assunto, eu queria encontrar uma palavra que me desse algo em troca pelo perdão. Ter que perdoar sem entender o porquê, o que eu ia ganhar com isso, não me convencia e me impedia de fazê-lo. Foi então que li: “A prudência do homem faz reter a sua ira, e é glória sua o passar por cima da transgressão” (Provérbios 19:11). Logo, se eu perdoasse, estaria recebendo louvor, honra sobre a minha vida e obviamente encontraria paz.

Parece ironia: o abuso se tornaria em honra para mim! O fato de não perdoar não faz com que justiça ou vingança se cumpra, a melhor vingança era eu encontrar paz dentro de mim para poder reconstruir minha vida. Fui abusada por alguém em que confiava, me decepcionei com minha própria mãe e agora estava sendo chantageada pelo meu namorado, que havia descoberto o meu infortúnio.

Essa paz eu encontrei quando resolvi falar e agir sobre o perdão. Não faça isso porque as pessoas te falam que é o certo, não faça isso para ser boazinha, não deixe eu te “convencer”, mas perdoe para encontrar vida.

Neste momento eu te convido a ficar sozinha, fechar os olhos, e se lembrar daquele que causou tanta dor, olhar bem nos olhos dele e dizer “Eu te perdoo”. Essas palavras vão rasgar a sua alma e a sua batalha começa em não voltar atrás; mas eu determino que, imediatamente, após fazer isso, a paz vai entrar no seu coração. Faça a prova!

DIA 24 DE NOVEMBRO JUNTAS PARTICIPAREMOS DA II CAMINHADA ” ROMPENDO O SILÊNCIO” EM TODOS OS ESTADOS DO BRASIL.

Projeto Raabe Paraná faz Pronunciamento na Assembleia Lesgislativa

                        http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=CsF8R1F_h4Q

No dia 15 de outubro, o Projeto Raabe do Paraná fez um pronunciamento na Assembleia Legislativa com a finalidade de apresentar a todos os deputados (as) tudo o que está acontecendo  com as famílias que sofrem violência doméstica e o cuidado que o projeto vem  estabelecendo para mudar essa rotina.

O convite, feito pelo Deputado estadual Edson Praczyk que muito tem apoiado e contribuído para que o projeto se desenvolva, foi de grande importância, pois foi transmitido, ao vivo, pela TV SINAL  alcançando um público de 7 milhões de telespectadores  e  algumas cidades do Paraguai.

Alessandra Soares, responsável  pelo  Paraná, apresentou o Projeto Raabe e vem cuidado com as voluntaária das vítimas que precisam acabar com o ciclo da violência.

O pouco que se torna muito: Projeto Raabe Goiás

Mulheres e crianças que foram vítimas da violência doméstica, normalmente não recebem apoio de seus familiares e amigos. Marginalizadas, longe do convívio social, familiar e muitas vezes correndo risco de vida, elas são encaminhadas para casas – abrigo e instituições, sendo privadas do direito a vida em sociedade. Essa exclusão agrava os danos emocionais causados pelas agressões.  O recuperar a vida em sociedade e o resgatar o valor diante dos outros, familiares e conhecidos, torna-se tão difícil para elas que prefeririam nunca terem denunciado e trago a violência à tona.

No dia 12 de outubro, dia das crianças, voluntárias do projeto se uniram para realizarem uma visita especial e marcante na vida de crianças que carregam as marcas do desrespeito das agressões. Visitamos o Centro de valorização da mulher, local onde são acolhidas as vítimas da violência doméstica.

Preparamos com muita dedicação um belo café da manhã. Cada criança foi presenteada com bolas, carrinhos e bonecas; e até a aniversariante do mês recebeu presente especial.

Cada detalhe e atenção faz toda a diferença para elas, pois desde muito cedo já conheceram  e sentiram no corpo o abuso e desrespeito a vida, porém não perderam sua essência; também sabem discernir e recebem com muita alegria nossas atitudes de carinho e gestos carregados de muito amor e respeito.

As crianças se alegraram brincando, enquanto isso…

Um trabalho apropriado e idôneo foi realizado com as adolescentes e mulheres. Uma palavra adequada e todo cuidado são necessários na tentativa de curar suas cicatrizes emocionais, pois elas se encontram psicologicamente abaladas. Com a fala suave e branda das voluntárias, elas receberam atentas cada palavra dita, palavras carregadas da unção de Deus e do seu poder transformador.

 

Raabe e Você/Capítulo 11

Quem sofreu qualquer tipo de abuso entende a dor das demais e sabe que determinados assuntos que são muito delicados de serem abordados. Um deles é o perdão.

Estamos juntas há mais de dois meses e acho que agora você já se acostumou comigo e sabe que sou direta. Esse é o motivo pelo qual não toquei nesse assunto logo no principio, porque bem sei que é difícil de entender: eu fui abusada, eu sofri, eu carrego as marcas até hoje e ainda tenho que perdoar? Mas agora é a hora de falarmos um pouquinho sobre isso porque te posso dizer que é a linha de partida para uma nova vida.

Eu era menina quando ocorreu o abuso, então não desejei mal ao meu agressor, só queria que aquilo parasse; mas bem sei que para muitas de nós o melhor dia parece ser aquele em que a vingança se cumprir.

Já ouvi amigas dizendo que o melhor dia da vida delas seria quando soubessem que o criminoso morreu. Particularmente acho que não. O fato de o agressor pagar de alguma forma pelo que fez lhe traz um senso de justiça, mas não vai aliviar a dor porque, pagando ou não, não vai anular o que foi feito, entende?

Por favor, não pense que defendo a impunidade com minhas palavras. A dor está dentro de você e ela só irá embora quando você fizer algo a respeito.

Lembra-se de nossos artigos anteriores? Você está no comando da sua vida agora. Enquanto você alimenta um ódio, uma mágoa, uma tristeza profunda contra o seu agressor, você revive o ato do abuso todos os dias em sua mente. Os seus pensamentos são somente ocupados por isso e, seja honesta consigo mesma, a cada dia fica pior, não é? Você sofre o abuso novamente, imaginário, sim, mas vive tudo de novo, se sente inferior, suja, humilhada, sufocada, oprimida e pensa até na morte.

Muitas vezes, ele não sabe nem quem você é; continua vivendo como se nada tivesse acontecido e você, a abusada, sofreu a violência e tem se violentado todos os dias com o mesmo pensamento. Ainda que o seu agressor tenha pagado pelo que fez, a dor continua aí. E isso porque a mágoa, o ódio está dentro de você. Nenhum fator externo vai aliviar limpar ou arrancar o que você sente.

Pense no que alguém me escreveu: “Quando você odeia alguém, o seu ódio não vai ferir ou prejudicar esse alguém nem um pouquinho. Contudo, esse ódio vai te destruir bem devagarzinho.” A verdade é dura: não tem outra saída senão perdoar. E você não vai fazer isso pela pessoa, mas por si mesma.

Se estiver disposta a saber como, você vai ler o nosso próximo artigo.